Home / Estudo mostra que tributação adequada das big techs pode gerar R$ 27,6 bi para o Estado

Estudo mostra que tributação adequada das big techs pode gerar R$ 27,6 bi para o Estado

Fonte: Teletime

5 de dezembro de 2023

Estudo produzido pelo Centro de Políticas, Direito, Economia e Tecnologia das Comunicações (CCOM) da Universidade de Brasília (UnB) mostra que as big techs têm um potencial de arrecadação tributária que pode alcançar R$ 27,6 bilhões, tendo como parâmetro a reforma tributária contida da PEC 45 e PEC 110.

Este valor pode variar de acordo com as perspectivas de tributação que tramitam hoje na legislação tributária brasileira, já que o estudo analisou os projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional. São eles: PLP 218/2020, que propõe uma alíquota de 3%; o PL nº 2.358/2020, que introduz a Cide Digital; e o PLP 131/2020 que tem uma alíquota de 10,6%.

A pesquisa da UnB explica que considerando a alíquota de 3% prevista no PLP 218/2020, potencial de arrecadação tributária de empresas como Google, Facebook, Ali Baba e Amazon é de R$ 3,3 bilhões ao ano. Já com base no PL nº 2.358/2020, que introduz a Cide Digital, o potencial de arrecadação tributária brasileira por parte destes serviços gira em torno de R$ 5,5 bilhões. E com relação ao PLP 131/2020 que tem uma alíquota de 10,6%, o potencial de arrecadação é de R$ 11,7 bilhões.

A análise arrecadatória levou em consideração a atuação das empesas que atuam em seis nichos de mercado dos serviços digitais: serviço de e-mail; armazenamento em nuvem; ferramentas de produtividade; compras online; streaming de áudio e vídeo; e redes sociais.

Os dados coletados para construção das análises basearam-se nas informações financeiras das empresas que prestam esses serviços no Brasil e que disponibilizam suas demonstrações contábeis publicamente, sendo que a estimativa para o ano de 2023 se fundamentou na arrecadação dos últimos três anos dessas empresas (2020, 2021 e 2022).

Outra conclusão do estudo é que a não definição de uma legislação tributária no Brasil que alcance essas empresas mina o alto potencial de arrecadação por partes desses serviços, gerando uma perda considerável de ingresso de recursos para os cofres públicos.

Confira matéria na Teletime

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Balanço Conar: Sete cases analisados
O Conselho de Ética do Conar analisou sete representações esta semana, entre elas, cases da TIM, Nestlé e Itaú.
CX e construção de marca: caminhos de diferenciação para o varejo
Há algumas semanas, Meio & Mensagem publicou uma reportagem sobre o ranking das marcas mais valiosas de 2022, da Brand Dx, que apontou crescimento de 22% no valor dos cem anunciantes mais valiosos – somados. Significativamente atrás dos bancos, que seguem sendo o segmento mais relevante, com 31%; dos veículos, com 15%; e ligeiramente atrás […]

Receba a newsletter no seu e-mail