Home / “É mais barato veicular anúncios odiosos no Facebook”, diz denunciante

“É mais barato veicular anúncios odiosos no Facebook”, diz denunciante

Fonte: Insider

26 de outubro de 2021

A denunciante do Facebook, Frances Haugen, disse aos legisladores britânicos na segunda-feira que colocar anúncios “de ódio, raiva e divisão” na plataforma da empresa saiu mais barato do que colocar outros tipos de anúncio.

Haugen, que trabalhou na equipe de integridade cívica do Facebook antes de deixar a empresa em maio, apareceu em uma reunião do comitê parlamentar selecionado cerca de três semanas depois de testemunhar no Congresso dos Estados Unidos . Ela disse que os preços dos anúncios no Facebook eram “parcialmente baseados na probabilidade de as pessoas gostarem deles, compartilhá-los de novo, fazer outras coisas para interagir com eles – clicar em um link”.

“Um anúncio que consegue mais engajamento é um anúncio mais barato”, disse ela.

Isso tornou “substancialmente” mais barato veicular um “anúncio raivoso, odioso e polêmico do que um anúncio compassivo e empático”, disse ela.

“Vimos que repetidas vezes nas pesquisas do Facebook é mais fácil provocar raiva nas pessoas do que empatia ou compaixão . E, portanto, estamos literalmente subsidiando o ódio nessas plataformas”, disse ela.

Haugen repetiu o que disse aos legisladores dos Estados Unidos durante sua audiência no Senado no início deste mês: que ela acha que a classificação baseada no engajamento no Facebook – otimizar o conteúdo para obter a maior interação dos usuários – causa muitos problemas de segurança na plataforma.

Haugen disse em seu depoimento ao Congresso que a própria pesquisa do Facebook mostrou que esse tipo de classificação baseada em engajamento leva os algoritmos da empresa a favorecer conteúdo prejudicial. Na segunda-feira, Haugen disse que isso se aplica tanto aos anúncios na plataforma quanto ao conteúdo gerado pelo usuário.

Um porta-voz do Facebook direcionou a Insider para esta postagem do blog da empresa   sobre a qualidade do anúncio e destacou uma seção que lembra os leitores de que os anúncios no Facebook devem obedecer aos padrões da comunidade e às políticas de publicidade. Isso inclui políticas que proíbem   anúncios sensacionais e  anúncios  que “contenham conteúdo que explore crises ou questões políticas ou sociais controversas para fins comerciais”.

Confira matéria completa no Insider

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

33% das agências retomaram desempenho anterior à crise
Dados do estudo VanPro, da Fenapro, revelam que, apesar do impacto causado pela pandemia e da retração econômica, os investimentos em publicidade deram sinais de reversão no último quadrimestre, entre maio e agosto. Leia Mais
Relator de PL das “fake news” volta a negociar com partidos
O relator do projeto de lei 2630 na Câmara, conhecido como PL das “fake news”, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), voltará a negociar com os partidos a votação do texto, fazendo mudanças em seu relatório. O requerimento de urgência para a votação da proposta foi derrubado ontem no plenário da Câmara por uma falta de oito […]

Receba a newsletter no seu e-mail