Home / Big techs vs União Europeia: uma oportunidade para o Brasil

Big techs vs União Europeia: uma oportunidade para o Brasil

Fonte: Olhar Digital

11 de setembro de 2023

A crescente tensão entre gigantes da tecnologia e reguladores da União Europeia (UE) é palpável em diversos segmentos do mercado digital global. A possível introdução de versões pagas do Facebook e Instagram na UE é mais um sintoma desse conflito.

O Continente tem sido uma vanguarda no estabelecimento de padrões rígidos de privacidade e proteção de dados, especialmente com a General Data Protection Regulation (Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados). No entanto, um debate válido é se tais normas, embora criadas com as melhores intenções, estão sufocando a inovação e o desenvolvimento econômico.

A personalização de anúncios, por exemplo, é um modelo de negócios que permitiu que muitas plataformas digitais fossem gratuitas e acessíveis para bilhões de usuários. Mas, se as big techs se sentirem pressionados a mudar seus modelos de negócios, há o risco de tais inovações se tornarem menos frequentes ou serem direcionadas para mercados menos restritivos.

O Brasil

Neste contexto, o Brasil e outros mercados emergentes têm uma oportunidade única: adotar uma abordagem equilibrada em termos de regulamentação pode ser a chave para atrair investimentos e inovação das grandes empresas de tecnologia.

Ao invés de impormos adotar regras rígidas, o foco poderia ser estabelecer diretrizes flexíveis mas que protejam os direitos dos usuários enquanto incentivam a inovação e o crescimento econômico das empresas e do país.

Fato é que a possível mudança no modelo de negócios da Meta na UE é um sinal de que a regulação excessiva pode ter consequências secundárias. Para países como o Brasil, este é o momento de refletir sobre como criar um ambiente regulatório que seja tanto protetor quanto promotor de inovação.

Contexto

Meta está em embates com a União Europeia e outros reguladores da região sobre as suas políticas de privacidade e segurança, bem como sua política de anúncios. Para aliviar as tensões no continente europeu, a empresa pode oferecer uma versão do Instagram e Facebook pagos, que não teriam anúncios, uma vez que eles são personalizados e dependem da coleta de dados dos usuários.

Os embates são tantos na região que a Meta ainda não lançou o Threads por lá, mesmo a UE sendo o segundo maior público das redes sociais da empresa.

Confira matéria no Olhar Digital

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

GARM: Mais de 80% do conteúdo removido em plataformas em três categorias-chave (em inglês)
Primeiro relatório de monitoramento de segurança da marca elaborada pela Global Alliance for Responsible Media – GARM mostrou que 80% do conteúdo removido das principais plataformas que fazem parte da aliança são relacionados a spam, conteúdo adulto e discurso de ódio e atos de agressão. Leia Mais
Tim Cook diz que objeções do Facebook para permitir que pessoas escolham se querem ou não ser rastreadas têm ‘argumentos frágeis’ (em inglês)
Em podcast do The New York Times, o CEO da Apple, Tim Cook, disse ser possível fazer publicidade digital e monetizar sem rastrear as pessoas sem seus consentimentos. Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail