Home / Barroso defende compartilhamento de receitas entre big techs e empresas de comunicação

Barroso defende compartilhamento de receitas entre big techs e empresas de comunicação

Fonte: Teletime

3 de outubro de 2023

Em sua primeira coletiva como presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Luís Roberto Barroso voltou a defender a regulação de plataformas, o compartilhamento de receitas entre big techs e empresas de comunicação e o combate à desinformação.

Para ele, é preciso encontrar uma harmonia entre esses atores porque, com a ascensão do mundo digital, boa parte da publicidade que antes era veiculada nos meios de comunicação tradicionais migrou para o mundo digital.

“A crise no modelo de negócios na imprensa tradicional é uma preocupação democrática. Porque a imprensa, embora privada, não é de interesse privado, há um interesse público, que é criar um universo de fatos comuns. E a partir dos fatos, as pessoas formam sua opinião sobre aquele fato, apesar de elas serem empresas privada”, afirmou o ministro na coletiva.

Barroso destacou que o compartilhamento de receitas é importante porque as plataformas digitais circulam informações, mas não produzem conteúdos.

No final de 2022 Barroso também havia rechaçado uma ação do PSB que questionava a tentativa da Anatel de regular a relação entre empresas de SVA e as operadoras de telecom.

Desinformação

Ele também destacou a necessidade de se combater a desinformação. Barroso entende que é preciso regular as plataformas para impedir conteúdos inaceitáveis socialmente e evitar ações coordenadas de bots e perfis inautênticos. “Também é preciso regular para enfrentar os comportamentos coordenados inautênticos, que ocorrem quando se amplifica artificialmente por meio automatizados uma desinformação, ou seja, quando você usa bots, perfis falsos, para atender interesses políticos ou para apagar uma notícia que determinados grupos não querem”, disse o novo presidente do STF.

Ele defendeu ainda a necessidade de, paralelamente à criação processo regulatório das big techs, implementar mecanismos de educação midiática. “Precisamos ensinar as pessoas a não repassar informação que elas desconhecem. Elas precisam avaliar as informações. Eu acho que temos que investir nisso. Fizemos isso no TSE. Nos vamos investir energia em conscientizar as pessoas sobre o que é a desinformação”, disse.

PL 2.630/2020

Sobre o projeto de lei 2.630/2020, conhecido como PL das Fake News, o presidente do STF disse que como o está em tramitação no Congresso Nacional, está fora de sua atribuição, mas defendeu uma regulação proposta no texto, desde que feita de maneira segura. “Não importa se alguém é liberal, esquerda ou conservador. Sabemos que não pode ter pedofilia na rede, não pode ter venda de armas, de drogas. Acho que é preciso um meio termo em que todos estejamos de acordo, que pode ser materializar no PL”.

Confira matéria na Teletime

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

SXSW terá edição adicional em Sydney, na Austrália
Saindo do clima árido texano de Austin, nos Estados Unidos, o South by Southwest anunciou a expansão do evento para a cidade de Sydney, na Austrália, no segundo semestre do ano que vem. A edição deverá ter duração de uma semana, em outubro, do dia 15 ao dia 22. Nesta semana, a organização também comunicou as datas […]
Por que os anunciantes não estão migrando para o streaming de TV tão rapidamente quanto os espectadores
Historicamente, ao tomar decisões de marketing, os anunciantes gostavam de acompanhar os olhos. Quer sejam os programas de TV mais assistidos ou a plataforma mais viral, as marcas geralmente querem estar onde possam alcançar o maior público. Mesmo assim, os profissionais de marketing permanecem céticos sobre realmente abraçar a mudança dos telespectadores para o streaming de TV. […]

Receba a newsletter no seu e-mail