Home / As agências que mais filmaram com diretoras mulheres

As agências que mais filmaram com diretoras mulheres

Fonte: Meio e Mensagem

6 de abril de 2022

Pesquisa anual do Free the Work aponta Publicis e Africa como as empresas que mais contrataram diretoras de cena em 2021

Criada com a proposta de impulsionar a diversidade e a representatividade nos ambientes de produção, a plataforma Free the Work realiza, anualmente, uma pesquisa para monitorar os avanços das iniciativas de inclusão no ambiente do audiovisual e da publicidade.

Em 2017, quando a iniciativa deu seus primeiros passos no Brasil, um grupo de agências de publicidade assinou um compromisso de incluir diretoras de cena mulheres ao menos nos orçamentos das filmagens das campanhas publicitárias.

Agora, o Free the Work ouviu 41 diretoras de publicidade e marketing que fazem parte da plataforma para avaliar a evolução das propostas de inclusão. Nesse grupo de diretoras entrevistadas, 46% afirmaram que a pandemia impactou negativamente seu trabalho. O percentual indica uma melhoria em relação ao estudo referente a 2020, quando 70% das diretoras afirmaram que o período de Covid-19 teve consequências negativas em seu trabalho.

Segundo o estudo do Free the Work, 51% das diretoras acreditas que o volume de solicitações de orçamentos aumentou. Esse ranking das agências que mais fizeram orçamentos com diretoras mulheres é liderado pela BETC Havas, seguida da Mutato, FCB, Publicis e Africa.

Já em relação à contratação efetiva de diretoras de cena mulheres, a agência líder do ranking do Free the Work em 2021 foi a Publicis, mesma agência que liderou os rankings da plataforma nos dois anos anteriores.

Na sequência das agências que, efetivamente, mais contrataram diretoras de cena mulheres para os trabalhos de publicidade foram a Africa, a Havas BETC e Sunset.

Na sequência, também aparecem a Mutato, FCB, Fbiz, Dentsu, AKQA e R/GA.

Temáticas de produção
A pesquisa anual do Free the Work também avalia os segmentos de produção que mais contrataram diretoras de cenas mulheres. Em primeiro lugar aparecem os filmes documentais/testemunhais, seguidos de produções relacionadas a lifestyle.

Em terceiro lugar ficaram os filmes do segmento fashions. As produções relacionadas às pautas afirmativas, que abordam diretamente os temas de diversidade e representatividade, corresponderam a 27% do volume total dos filmes produzidos. Em 2020, esse tipo de produção representava 35% do total.

Confira matéria no Meio e Mensagem

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

“Os jornais não estão no ramo do erro; estão no ramo da confiança” – Marcelo Rech, vice-presidente Editorial e Institucional do Grupo RBS e presidente da ANJ
Em entrevista para o Zero Hora, Marcelo Rech, vice-presidente Editorial e Institucional do Grupo RBS e recém-reeleito presidente da ANJ, fala sobre a Coalizão Liberdade com Responsabilidade e de outros desafios do setor. Leia Mais
Big Techs serão afetadas por novo imposto global corporativo, diz economista
As empresas Big Techs devem ser afetadas pelo novo imposto mínimo global para grandes empresas, que foi uma iniciativa da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Esta é a avaliação do economista Marcio Sette Fortes. O tributo mínimo, acordado entre 136 nações, seria de 15% para empresas com lucro de mais de 750 milhões de euros […]

Receba a newsletter no seu e-mail