Home / Associações de imprensa pedem pagamento de big techs por conteúdo jornalístico

Associações de imprensa pedem pagamento de big techs por conteúdo jornalístico

Fonte: Poder360

21 de setembro de 2021

Ressaltam que as empresas devem pagar “pelo uso do seu conteúdo, com o qual obtêm muitos benefícios, diretos e indiretos”

Associações de imprensa do continente americano publicaram nesta 3ª feira (21.set.2021) um manifesto pedindo o pagamento da produção jornalística pelas plataformas digitais, como o Google e o Facebook.

O documento foi assinado por 17 entidades, tendo entre elas, a SIP (Sociedade Interamericana de Imprensa), a WAN-IFRA (Associação Mundial de Editores de Notícias), a associação norte-americana News Media Alliance e a ANJ (Associação Nacional de Jornais) do Brasil. Eis a íntegra (6 MB).

No texto, as organizações pedem às instituições supranacionais e aos países do continente para que garantam “as condições para remunerações justas e razoáveis” por parte das plataformas digitais.

Eles ressaltam que as empresas devem pagar aos meios de comunicação “pelo uso que fazem do seu conteúdo, com o qual obtêm muitos benefícios, diretos e indiretos”.

O pedido das entidades é baseado na lei aprovada pelo parlamento da Austrália em fevereiro de 2021. O chamado Código de Negociação Obrigatória para Mídia de Notícias e Plataformas Digitais obriga as gigantes de tecnologia a compartilharem com os veículos de comunicação a receita publicitária gerada pela veiculação de conteúdo jornalístico.

Segundo o manifesto, embora os meios de comunicação tenha registrado “mais audiência do que nunca”, as receitas que financiavam o jornalismo profissional “são absorvidas por intermediários que concentram mais de 80% da publicidade digital do mundo”.

As entidades reconhecem que empresas, como Google e Facebook, vêm adotando iniciativas com o objetivo de pagar as mídias em alguns países pelas licenças de conteúdo, mas afirmam que é preciso ir além.

“Esses programas ainda não são a resposta justa e completa que o setor precisa para compensar as distorções e restabelecer um certo equilíbrio do ecossistema. A compensação não pode ser feita apenas com base na vontade unilateral das plataformas”, declaram as associações.

Elas pedem também que a adoção de medidas, em âmbito mundial, baseadas “na propriedade intelectual” e nas “leis antitrustes” a fim de “evitar práticas abusivas no mercado da publicidade digital”.

“Outro aspecto muito importante é a questão dos algoritmos, que determinam a distribuição dos conteúdos para toda a sociedade”, afirmam as entidades.

O QUE DIZEM AS PLATAFORMAS

Em nota enviada ao Poder360, o Google disse que “apoiar o jornalismo de qualidade é uma prioridade” e que a empresa tem um “histórico consistente de trabalho e contato com as associações envolvidas” no manifesto.

A big tech cita o programa “Google News Showcase” ou “Google Destaques”, lançado em outubro de 2020 no Brasil. A iniciativa estabelece um acordo com os veículos de vários países de pagamento pelo conteúdo jornalístico.

“Como uma das empresas que mais apoia financeiramente o jornalismo de qualidade, nós acreditamos que temos uma responsabilidade compartilhada de garantir um futuro robusto para a produção de notícias e estamos comprometidos em fazer a nossa parte para que isso aconteça”, disse.

Eis a íntegra da nota: 

“Apoiar o jornalismo de qualidade é uma prioridade para o Google. Temos um histórico consistente de trabalho e contato com as associações envolvidas, ajudando associados a crescer sua audiência e seus negócios por meio de produtos, licenciamento de conteúdo e projetos e treinamentos dentro da Google News Initiative. Como uma das empresas que mais apoia financeiramente o jornalismo de qualidade, nós acreditamos que temos uma responsabilidade compartilhada de garantir um futuro robusto para a produção de notícias e estamos comprometidos em fazer a nossa parte para que isso aconteça.

Nosso programa mais recente, o Google Destaques (News Showcase), faz parte desse compromisso e estabelece um modelo de pagamento a veículos de notícias pelo licenciamento de conteúdo de alta qualidade. Desde que anunciamos o nosso investimento de US$ 1 bilhão para pagamentos diretos a veículos de notícias por meio do Google Destaques, fechamos acordos com mais de 900 publicações pelo mundo. No Brasil, o produto foi lançado em outubro de 2020 e, atualmente, brasileiros têm acesso ao conteúdo selecionado e de alta qualidade de mais de 55 publicações nacionais, regionais e locais por meio do Google Destaques”.

O Poder360 também entrou em contato com o Facebook que respondeu que tem trabalhado com as entidades “para ajudar a construir uma indústria de notícias sustentável”.

Eis a íntegra:

“Temos trabalhado com associações de notícias em toda a região, incluindo a Associação Interamericana de Imprensa e outros participantes dessa declaração, como a ANJ, a Adepa e o Wan-Ifra, para ajudar a construir uma indústria de notícias sustentável. Veículos de notícias usam o Facebook e compartilham seus conteúdos em nossas plataformas para aumentar o tráfego de acesso de seus artigos e sites, se conectar a novas audiências, explorar formatos digitais e monetizar. Estamos investindo mais de US$ 1 bilhão em jornalismo globalmente e continuaremos colaborando para apoiar o papel fundamental do jornalismo na democracia”.

Confira a matéria no Poder360.

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Caracol de Plata está com inscrições abertas para sua 21ª edição (em espanhol)
O Reconocimiento Iberoamericano al Mensaje de Beneficio Social, que premia campanhas voltadas para causas sociais, está com as inscrições abertas até o dia 16 de novembro. Acesse o site da premiação em Leia Mais e confira o regulamento. Leia Mais
Como regular a moderação privada de conteúdo nos novos espaços públicos?
Projeto de lei das fake news prevê a criação de duas novas instâncias para lidar com as plataformas de redes sociais: o Conselho de Transparência e Responsabilidade na Internet e uma instituição de autorregulação composta pelas plataformas e serviços de mensagem. Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail