Home / A contribuição de Edney Narchi para a ética publicitária

A contribuição de Edney Narchi para a ética publicitária

Fonte: Meio e Mensagem

13 de julho de 2023

Depois de 38 anos de bons serviços à autorregulamentação publicitária, Edney Narchi aposentou-se da vice-presidência do Conar. O Conselho de Ética da entidade rendeu-lhe justíssimas homenagens em sessão plenária, dia 29 de junho. Foi uma oportunidade toda especial de relembrar tantas e tantas passagens marcantes deste notável advogado do Largo de São Francisco, talhado para a conciliação e a harmonia tão importantes num tribunal de arbitragem, como é o Conar.

Integro há onze anos o Conselho de Ética, como representante da Abap. Atualmente, tenho a honra de presidir a 1ª Câmara. Junto com os meus colegas, examino as denúncias, coordeno os debates, geralmente na presença das partes envolvidas e, depois, colho os votos dos meus colegas de Câmara, pelo arquivamento, alteração ou sustação do anúncio, e se a decisão será ou não agravada por advertência. Eu só voto em caso de desempate.

Esta e outras tarefas me transportam instantaneamente aos meus primeiros meses como Conselheira e me fazem lembrar com nitidez a paciência do Edney com o meu noviciado e inexperiência com os trâmites da casa (particularmente por minha formação e vivência profissional totalmente estrangeira ao Direito). De sua enorme generosidade não só em me explicar os diversos aspectos dos nossos ritos e procedimentos, mas em compartilhar um grande número de histórias, casos e fundamentos de decisões emblemáticas.

Ao me lembrar do trabalho que dei a ele, eu incluo um item a mais na lista de motivos para agradecer à Abap a oportunidade que me deu de fazer parte do Conar. Porque o que temos a chance de aprender aqui é inestimável e insubstituível. A qualidade deste grupo – em suas diversas interações – é rara em qualquer circunstância. O trabalho feito pelo Conselho de Ética contribui de forma decisiva para que a publicidade no país se dê de forma ética e a competição dentro de parâmetros saudáveis.

E isso se deve em enorme medida à inteligência, competência e diligência do Edney, que com a sua dedicação, ajudou a forjar uma instituição única, aberta às mudanças, discussões e evolução da nossa sociedade, acessível a pessoas de qualquer lugar do país ou estrato social, empresas dos mais diversos portes e, principalmente, confiável. Que foi capaz de manter o foco em sua missão de “impedir que a publicidade enganosa ou abusiva cause constrangimento ao consumidor ou a empresas e defender a liberdade de expressão comercial” durante todo esse tempo. Tudo isso de forma educada, agradável, firme e incansável.

Além disso tudo, fez ainda uma sucessão impecável, deixando em seu lugar uma pessoa com todas as qualidades e preparo para liderar o Conar e toda a agenda da autorregulamentação publicitária no Brasil: Juliana Albuquerque, que já atua no Conar há 22 anos e é hoje uma das maiores autoridades em autorregulamentação publicitária no mundo. O desafio de Juliana não é pequeno, mas ela está pronta para ele. E conta com o apoio, confiança e torcida de toda a publicidade.

Ao Edney, fica o nosso agradecimento pela imensa contribuição para o País, para a publicidade e também para o desenvolvimento profissional e pessoal de cada um de nós. E no meu caso, particular, fica também um pedido de desculpas pela canseira adicional que eu causei.

Confira matéria no Meio e Mensagem

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Google anuncia demissão de 12 mil funcionários
A empresa matriz do Google, a Alphabet, anunciou nesta sexta-feira (20) um plano global para cortar 12 mil funcionários, seguindo a tendência de outras “big techs” de aplicar uma reestruturação em larga escala. A medida afeta equipes em toda a empresa, incluindo recrutamento e algumas funções corporativas, bem como algumas equipes de engenharia e produtos. O corte […]
O executivo de publicidade Dan Wieden criou o slogan ‘Just Do It’ da Nike
Uma coisa que Dan Wieden não queria fazer quando jovem era seguir seu pai no ramo da publicidade. “Eu nunca consegui entender por que ele estava em uma indústria tão prostituta”, disse Wieden à revista Adweek em 2003. Em meados da década de 1960, formou-se em jornalismo na Universidade de Oregon. Casou-se jovem e teve filhos na […]

Receba a newsletter no seu e-mail