Home / 8 pontos de atenção no substitutivo do ‘PL das Fake News’

8 pontos de atenção no substitutivo do ‘PL das Fake News’

Fonte: Coalizão direitos na rede

3 de novembro de 2021

O Projeto de Lei 2630/20, conhecido como o PL das Fake News, teve nova versão do relator deputado Orlando Silva (PCdoB-SP). Na próxima semana, o GT-NET da Câmara dos Deputados, criado para discutir o tema, deverá fechar o substitutivo para enviar ao plenário. Confira os 8 pontos de atenção do documento que ainda merecem ser melhorados, segundo a Coalizão Direitos na Rede.

1- A redação traz importantes obrigações de transparência fundamentais tanto para os usuários se protegerem de abusos das plataformas quanto para as autoridades fiscalizarem se a lei será respeitada. Escândalos recentes envolvendo plataformas mostram a importância dessas medidas.

2- O texto coloca diversas regras importantes para serviços de mensagem privada (como Whatsapp) para o combate à desinformação, como fixar limites à viralização e prever um mecanismo de obtenção de dados para investigação que não viola direitos como a proteção de dados.

3- O PL traz mecanismos de devido processo garantindo o direito de recurso e defendendo usuários em caso de abuso das plataformas. Coloca obrigação de notificação do usuário. Contudo, ainda é preciso melhorar as regras sobre reparação diante de erros na moderação.

4- O PL delega ao Comitê Gestor da Internet (CGI.br) um conjunto de responsabilidades, como acompanhar o cumprimento da lei e elaborar diretrizes para um código de conduta. A decisão é acertada pelo caráter multissetorial do CGI e sua tradição de atuação técnica sobre os temas de Internet.

5- Mas ainda há necessidade de ajustes. O código de conduta com regras mais detalhadas não tem definição sobre quem irá elaborá-lo. Essa deve ser uma atribuição do CGI, em diálogo com as plataformas, para que esse código seja efetivo.

6- Nas obrigações aos agentes públicos, a redação do PL restringe elas a membros do Executivo e Legislativo, não especificando membros do MP, Judiciário, das Forças Armadas e Polícias, instituições com casos de problemas no uso de redes sociais por parte de seus integrantes.

7- O projeto mantém a criação de um tipo penal envolvendo ações coordenadas de disparos de mensagens ilícitas ou comprovadamente inverídicas. A criminalização tem riscos e a redação ainda abre margem para abusos na aplicação e deve ser ajustada para evitar que seja mal utilizada.

8- Cria uma regra de remuneração de notícias às empresas de mídia que não resolve o problema da concentração da publicidade nas plataformas, reforça a concentração na mídia e não garante o pagamento aos trabalhadores. Deve ser retirada para ser tratada em lei específica.

Confira matéria completa no Coalizão direitos na rede

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Google enganou usuários Android sobre coleta de dados de localização, decide corte australiana
A Comissão de Competição e Consumo da Austrália (ACCC) considerou que a coleta de dados de usuários do Android foi “parcialmente enganosa”, pois mesmo que os usuários desabilitassem a opção Histórico de Localização do dispositivo, o Google continuava a coletar dados por meio do Atividade na Web e de Apps. Leia Mais
“O mundo está nos seguindo”
Em entrevista para o Meio&Mensagem, Ezra Geld, CEO da Mediabrands no Brasil e que está assumindo também como CEO da MullenLowe, falou sobre a união entre criação e mídia sob o mesmo teto. “O mundo acordou para o modelo brasileiro. Existem agências criativas que estão voltando a fazer mídia. E agências de mídia que passaram a fazer […]

Receba a newsletter no seu e-mail