Home / TSE firma parceria com redes sociais para combate à desinformação nas eleições

TSE firma parceria com redes sociais para combate à desinformação nas eleições

Fonte: G1

15 de fevereiro de 2022

Assinaram acordo Twitter, TikTok, Facebook, WhatsApp, Google, Instagram, YouTube e Kwai. Plataformas se comprometeram a identificar ‘fake news’ e a remover conteúdo que viole regras.

Tribunal Superior Eleitoral (TSE) formalizou nesta terça-feira (15) parcerias com as plataformas digitais para combater a desinformação e a disseminação de notícias falsas que possam atingir as eleições de outubro.

Fazem parte do acordo TwitterTikTokFacebookWhatsAppGoogleInstagramYouTube e Kwai.

A Corte ainda não conseguiu contato com o Telegram, canal utilizado pelo presidente Jair Bolsonaro e apoiadores, e negocia os termos do acordo com o LinkedIn.

O TSE fechou entendimentos individuais com cada plataforma para definir como cada uma vai utilizar suas ferramentas para impedir que ações que envolvam as “fake news” possam ganhar proporção e comprometer a legitimidade e a integridade das eleições.

O que prevê o acordo?

As plataformas se comprometeram a desenvolver filtragens para identificar informação enganosa e remover o conteúdo que violar as regras.

Também serão desenvolvidas medidas para levar informações oficiais sobre o processo eleitoral aos usuários.

A parceria não envolve recursos financeiros, não gerou custos para o TSE e faz parte do Programa de Enfrentamento à Desinformação do tribunal.

Barroso

Segundo o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, a cooperação com as plataformas é mais uma iniciativa que busca garantir a realização de eleição, livre, limpas e seguras, sem mentiras e discurso de ódio.

“Como quase tudo na vida pode ter abuso e má utilização é justamente para contê-las que estamos nessa parceria. Acho que renderá bons frutos para que a gente possa empurrar as ‘fake news’, a desinformação e as teorias conspiratórias para a margem da história e permitirmos um debate público de maior qualidade”, afirmou.

O diretor de Relações Governamentais do Google Brasil, Marcelo Lacerda, afirmou que é preciso garantir um ambiente online livre, mas seguro, sem desinformação e discurso de ódio.https://6d8142e65cf026e31f8e0fbed0a2d6a3.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

“Sabemos que a responsabilidade do enfrentamento da desinformação deve ser compartilhada por todos. A iniciativa do TSE é importante para que a gente possa manter o espaço online aberto, mas seguro. Para esse ano, nosso objetivo no Google Brasil é destacar fontes oficiais e apoiar os eleitores na busca por informações confiáveis e úteis para exercer o direito ao voto”.

O diretor de Políticas Públicas para o WhatsApp, Dario Durigan, afirmou que as eleições de 2022 são prioridade para a plataforma.

“Nós temos reforçado que democracia sólida tem que partir de um processo limpo. Quanto mais conectamos as pessoas é importante garantir que elas estejam seguras”.

Confira matéria no G1

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Plataformas gratuitas unem branding e mídia programática para remunerar conteúdo
Na América Latina, o segundo modelo de negócios de streaming com maior volume de títulos é o AVOD, vídeo sob demanda bancado por publicidade. É quase uma inversão dos valores vistos no cenário global, onde o modelo transacional, o TVOD, supera bastante o AVOD. Por aqui e no mundo, a maior parte dos títulos (44% […]
Funcionários do Google têm planos de sindicalização
Um grupo de funcionários do Google e de outras empresas da Alphabet anunciou a criação do Alphabet Workers Union com o apoio do Communications Workers of America (CWA). O objetivo do sindicato é lidar com questões desde os tipos de contratos que o Google aceita até a classificação dos funcionários e questões salariais e de […]

Receba a newsletter no seu e-mail