Home / Retrospectiva 2023: os 10 principais fatos do ano

Retrospectiva 2023: os 10 principais fatos do ano

Fonte: Meio e Mensagem

19 de dezembro de 2023

Como resumir fatos, notícias, dados, polêmicas, histórias, mudanças de comando, criação e extinção de marcas, consolidações, aquisições e até mesmo escândalos de um ano inteiro? Uma das maneiras de se fazer isso é por meio de listas, algo que o Meio & Mensagem, mais uma vez, se propõe a realizar, com o olhar orientado aos mercados de comunicação, marketing e mídia.

O ano que termina com os primeiros movimentos consolidados da megafusão entre as redes VMLY&R e Wunderman Thompson começou com a notícia da inconsistência contábil das Americanas, que sinaliza um período turbulento e desafiador não apenas à companhia como para todo o varejo nacional.

A retomada do crescimento do consumo no pós-pandemia, o “fim” do Twitter e seu “renascimento” como X além dos avanços do mercado em busca de formas mais precisar de métricas e dados foram outros fatores que permearam os negócios ao longo de 2023.

Veja, abaixo, os 10 fatos mais marcantes de 2023, de acordo com a curadoria da redação de Meio & Mensagem:

ROMBO CONTÁBIL E A CRISE NO VAREJO

De um lado a situação econômica desafiadora do ponto de vista do consumidor brasileiro, que apresenta um alto nível de endividamento em um cenário de inflação acumulada no período de pandemia. De outro, a intensificação da presença de concorrentes asiáticos no Brasil, como Shein, Shopee e AliExpress, e seus potenciais de negócio. No centro de tudo, as varejistas brasileiras enfrentando crises. A Americanas sofre com o rombo contábil bilionário, que culminou num pedido de recuperação judicial para tentar salvar a empresa. A Via Varejo, por sua vez, voltou a ser Grupo Casas Bahia dois anos após de se tornar Via. A mudança aconteceu em meio a uma crise financeira, depois de quatro trimestres de prejuízos. Antes, a companhia liberou ações no mercado para levantar R$ 1 bilhão, mas acabou conseguindo menos de R$ 650 milhões. Além disso, Renner, Riachuelo e Marisa fecharam lojas, e Magalu viu seu valor oscilar.

A MEGAFUSÃO ENTRE A VMLY&R E A WT

Na semana passada, veio a primeira parte da resolução da megafusão entre VMLY&R e Wunderman Thompson no Brasil. O WPP nomeou Karina Ribeiro, CMO e new business leader da Ogilvy Brasil, outra agência do grupo, CEO da nova VML. O anúncio da fusão das duas maiores redes da holding — que é o maior conglomerado de publicidade global — ocorreu em outubro, pegando lideranças regionais de surpresa. Além da indicação de Karina, o grupo anunciou que Stefano Zunino, country manager do WPP, também passa a responder como CEO do grupo VML no Brasil. Além da agência-mãe, ficam sob responsabilidade de Zunino Corebiz, Enext, iCherry, Marketdata, Mirum, Mutato, Pmweb, VML Commerce e VML Health. Pedro Reiss, CEO da Wunderman Thompson, deixou a companhia, enquanto Fernando Taralli, CEO da VMLY&R, assumirá posição na WPP Latam. Globalmente, as lideranças da VML são o CEO Jon Cook e a presidente Mel Edwards.

MÉTRICAS OOH AVANÇAM EM INTEGRAÇÃO

A mídia out-of-home caminha para evolução das métricas. O Mapa OOH, projeto da Clear Channel e JCDecaux, ganhou nova nomenclatura e plataforma de análise de resultados. Como Mapa OOH Live, o projeto firmou parceria com a adtech All Unite para coletar dados em tempo real e integrar informações dos sensores com fontes adicionais, como dados de operadoras de celular. Em um movimento similar, a Central do Outdoor e o braço de OOH da Adsmovil se uniram para criar uma plataforma com inteligência de dados e automação. O meio mobilizou interesse de empresas de mídia televisiva, como a Globo que, em março, se tornou sócia da Eletromidia e, em agosto, ampliou sua participação para 27,5%. O maior interesse das marcas também mobilizou agências a estruturar hubs. A Talent Marcel abriu a Talent Street enquanto a Galeria criou a operação Vitrine. A Africa Creative já havia feito o movimento em 2022, com o hub Rua Africa.

A VIRADA PARA A NOVA ERA DOS DADOS

Disponível em versão Beta desde outubro de 2022, o Google Analytics 4 (GA4) substituiu o Google Analytics Universal, modelo operado desde 2006. Segundo especialistas do mercado, a lentidão de migração e adoção do GA4 pode tornar a leitura de dados mais complexa e sem comparativo histórico. Os usuários não assinantes da versão antiga da ferramenta do Google tiveram até 1º de julho deste ano para fazer a migração completa para a versão atualizada da ferramenta gratuita de análise de dados e monitoramento de sites do Google. Isso porque, a partir desta data, as contas do Analytics Universal pararam de computar dados. Caso uma empresa não tenha migrado seus dados dentro do prazo, o Google realizou essa transferência automaticamente. Atendendo a pedido de assinantes do Google Analytics 360, versão paga da ferramenta, o Google adiou a migração dessa versão em um ano (estava marcado para julho deste ano).

CONSUMO FORA DO LAR RETOMA CRESCIMENTO

A população mundial está se acostumando novamente ao cotidiano nas ruas depois dos anos de restrições em função da pandemia de Covid-19. Esse movimento está impactando os hábitos dos consumidores e gerando novas oportunidades para as marcas. Em 2023, pela primeira vez, o consumo fora do lar recuperou os níveis pré-pandêmicos globalmente, segundo a Kantar. No primeiro trimestre houve alta de 10% no indicador, configurando sequência de oito trimestres consecutivos de crescimento. Os dados são do relatório OOH Barômetro 2023. O resultado é puxado pelas estatísticas da Europa e da América Latina. O Brasil, com alta de 26% no valor entre o primeiro trimestre de 2022 e o mesmo período deste ano, Reino Unido (23%) e México (14%) foram os países em destaque. A categoria formada por hotéis, restaurantes e cafés concentra grande parte dos gastos com consumo fora do lar. O segmento registrou alta de 14% no valor no período.

DISPUTA ACIRRADA E PULVERIZADA

O ano esportivo foi marcado por transmissões extremamente pulverizadas. Com exceção do Campeonato Brasileiro (em que a Globo tem o direito de exibir os jogos de 19 dos 20 clubes da série A), todas as competições contaram com mais de um canal. Esse movimento acirrou a disputa pelos direitos. Um exemplo foi o retorno da Libertadores à Globo. A empresa venceu a concorrência do SBT. Outras competições como estaduais, Copa do Brasil e campeonatos femininos, seguem distribuídas em diferentes players. Isso fez com que a internet se tornasse uma potência para o esporte. A CazéTV, criada para ser o primeiro meio digital a transmitir a Copa do Mundo, em 2022, no Qatar, se consolidou em 2023. O canal exibiu a Copa do Mundo feminina, Mundial de Clubes. Mundiais de Atletismo e Ginástica, além dos Jogos Pan-americanos. Por fim, entrou em cena o Goat, que já exibiu competições como Libertadores Feminina e Série C do Brasileirão.

CONSULTORIA GLOBANT COMPRA GUT

Depois de ter sido celebrada no Festival Internacional de Criatividade de Cannes como Rede Independente do Ano, a Gut inaugurou a nova fase da agência com movimento significativo: a consultoria de tecnologia Globant adquiriu participação majoritária na empresa fundada há cinco anos pela dupla Anselmo Ramos e Gastón Bigio. A relação entre ambas começou anos antes da transação, pois a companhia é cliente da agência. O escritório de Buenos Aires criou a campanha “Reinventando a Consultoria”, que satiriza consultorias tradicionais. De origem argentina, a Globant foi fundada em 2003 e hoje tem sede em Luxemburgo. Wanda Wigert, chief brand global da Globant e diretora executiva da operação na Argentina, garantiu que, a despeito da aquisição, a Gut continuará a operar de maneira autônoma. “A ideia é que possamos trabalhar em conjunto. Atendemos clientes globais e a Gut também. Então, creio que haverá sinergia natural.”

APOSTAS: PUBLICIDADE E REGULAMENTAÇÃO

Trunfo do Governo Federal para ampliar receitas, a regulamentação da atuação dos sites de apostas esportivas no Brasil está tendo desdobramentos no mercado publicitário. Mesmo sem regulamentação, os sites de aposta esportiva se consolidaram como importante segmento anunciante — 12 empresas do ramo figuraram no ranking Agências & Anunciantes 2023 de maiores anunciantes do Brasil — e patrocinador do esporte brasileiro. Emendas ao projeto chegaram a sugerir a proibição de publicidade de 6h até 23h, em qualquer meio de comunicação, e o veto ao patrocínio a time e atletas, mas ficaram de fora do texto final. A versão aprovada pela Comissão de Assuntos Econômicos e pelo Plenário do Senado prevê a autorregulação da publicidade de sites de apostas. O Conar divulgou, em novembro, regras para estabelecer padrões éticos de publicidade das bets. O projeto ainda aguarda nova votação no Congresso Nacional.

NOVA CONFIGURAÇÃO DO SETOR DE GAMES

Depois de negociações de quase dois anos com os órgãos reguladores, a Microsoft concluiu a compra da Activision Blizzard por US$ 69 bilhões, em outubro, a maior da história do setor. Antes disso, porém, a big tech recebeu autorização do órgão antitruste do Reino Unido, removendo a última barreira que impedia a conclusão. Em abril deste ano, a Autoridade de Concorrência e Mercados (CMA), agência reguladora do Reino Unido, havia bloqueado a compra, alegando que isso poderia gerar desvantagem competitiva para outros players da indústria, sobretudo em jogos em nuvem. Ainda que o acordo original tenha sido expirado em julho, a Microsoft obteve uma autorização judicial para seguir com as negociações no mesmo mês. Segundo o órgão, “o novo acordo impedirá que a Microsoft bloqueie a concorrência nos jogos em nuvem à medida que esse mercado decola, preservando preços e serviços competitivos para os clientes no Reino Unido”.

O VAI E VEM ENTRE MUSK E AS MARCAS

receita publicitária do X segue abalada pela relação conturbada de seu dono, Elon Musk, com as marcas. Muitos anunciantes voltaram a se afastar da rede diante de publicações antissemitas de Musk. O empresário chegou a insultar os anunciantes em conferência do The New York Times e disse para as marcas pararem de anunciar. Conforme o jornal, agências de publicidade pretendem acatar o pedido do empresário e suspender o investimento em mídia no X. A Meta tentou surfar a onda do êxodo de usuários do X para lançar o Threads, em julho. Em um dia, a plataforma ultrapassou 30 milhões de usuários. Pouco depois, o app apresentou queda de usuários ativos. O valor de mercado do Twitter tem oscilado na casa de US$ 20 bilhões, menos da metade do valor pelo qual o bilionário adquiriu a rede no ano anterior. No início da gestão de Musk no X, anunciantes saíram da plataforma por conta das modificações em relação à segurança.

Confira matéria no Meio e Mensagem

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Entidades de comunicação defendem transparência das Big Techs sobre impulsionamentos
Marcelo Bechara, do Conselho Superior da ABERT, e Alexandre Gibotti, diretor-executivo da ABAP, representaram a Coalizão Liberdade com Responsabilidade em debate da Câmara dos Deputados sobre PL das Fake News.
Investimento em dados pode fidelizar clientes
“Não há melhor maneira de oferecer uma experiência superior ao cliente do que por meio da personalização. As empresas devem investir na captação destes dados”, afirma Orchid Richardson, vice-presidente do Data Center of Excellence do IAB nos EUA.Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail