Home / Netflix pode mudar a publicidade moderna

Netflix pode mudar a publicidade moderna

Fonte: Meio e Mensagem

7 de julho de 2022

O dia que binge watchers temiam finalmente chegou: a Netflix não será mais uma plataforma livre de anúncios.

Quando surgiu a notícia de que a Netflix estava conversando com o Google para criar uma opção baseada em anúncios, não pude deixar de me perguntar se ela adotaria o caminho mais fácil de colocar alguns intervalos de anúncios durante cada programa à la Hulu ou aproveitar o oportunidade de reimaginar o que uma plataforma de publicidade moderna poderia ser.

Todos nós devemos esperar pelo último.

Afinal, ninguém está forçando a Netflix a aderir às regras estabelecidas pela televisão linear do século 20. No mínimo, deve ter como objetivo tornar a publicidade suportável para um público acostumado a passar por temporadas completas de Emily in Paris sem interrupção.

Como alguém que passou um tempo sendo torturado por anúncios em plataformas de streaming e criando anúncios que possivelmente torturaram outros em plataformas de streaming, me sinto em uma posição única para oferecer algumas ideias sobre como tornar a experiência boa para anunciantes e espectadores.

Coloque o compartilhamento de dados nas mãos dos usuários

Em vez de ficar preso a decisões de privacidade, talvez a Netflix possa permitir que seus usuários decidam quantos dados são compartilhados e com quem.

E se as taxas mensais estivessem vinculadas à disposição dos usuários em compartilhar dados? Disposto a compartilhar sua idade, CEP e status familiar? Essa é uma taxa. Jogue em sua renda familiar e quantos carros você tem e isso é mais barato. Disposto a fazer também duas pesquisas por ano? Isso pode até ser gratuito. Um usuário pode optar por não compartilhar quaisquer dados e isso também seria bom, mas mais caro.

Diga não à repetição de anúncios

Qualquer um que assista o Hulu suportado por anúncios sabe tudo sobre repetição de anúncios. Não é incomum ver o mesmo local em cada cápsula comercial de um show. É altamente irritante. O Hulu afirma ter limites de frequência e outros softwares que impedem a repetição, mas isso se aplica apenas a compradores de anúncios que compram por meio da plataforma. Qualquer pessoa que compre programaticamente tem controle zero sobre a ordem dos pontos em um episódio ou controle preciso da frequência.

A Netflix deve trabalhar com um DSP como o Trade Desk para resolver isso. Ser capaz de controlar a frequência dos anúncios abriria muitas possibilidades criativas para os anunciantes.

Reter o estoque para grandes eventos

Imagine se a estreia da segunda temporada de Squid Game estivesse disponível apenas por meio de compra direta a um preço premium. Os anunciantes ganham um certo prestígio por estarem lá e podem até se sentir inclinados a criar algo personalizado para o evento.

Recompense anúncios não ignorados

Embora a Netflix provavelmente não tenha um botão de pular, por que não deixar os anunciantes arriscarem e incluírem um? E se esse anúncio for visualizado até o fim com frequência, a Netflix pode recompensá-los com canais gratuitos ou mais baratos para oferecer aos espectadores o inestimável serviço de não ser terrivelmente perturbador.

Netflix pode tornar programas compráveis

Quer aquele top de biquíni do Pogue em Outer Banks? Adicione-o ao seu carrinho.

Desenvolva blocos de anúncios proprietários

A Netflix poderia tirar a experiência das mãos dos anunciantes fazendo “anúncios” recorrentes que agem mais como conteúdo. Duranteg Stranger Thins, por exemplo, imagine um Demogorgon fazendo “análises de produtos” durante os intervalos comerciais, amostrando (e, finalmente, destruindo) produtos que os anunciantes pagam para incluir. Eu assistiria.

Gamifique a experiência de visualização

A Netflix é uma plataforma interativa. Deveria abraçar mais isso. Assistiu todas as seis temporadas de Peaky Blinders em uma semana? Você ganha uma garrafa de Bushmills grátis. Acha que seria melhor em lavar dinheiro do que Marty Byrde? Jogue o Ozark Tax Simulator da TurboTax e descubra.

Permitir uma exploração mais profunda de conteúdo relevante

Se alguém assistisse ao documentário de Scorsese sobre os Rolling Stones, poderia receber um link do Spotify para três álbuns da mesma época, juntamente com o audiolivro da autobiografia de Keith Richards. As possibilidades são infinitas.

Com um pouco de criatividade, a Netflix tem a oportunidade de repensar a aparência e o comportamento da publicidade online. Vamos torcer para que sim. Seria emocionante para os anunciantes – e possivelmente até tolerável para os espectadores.

Confira matéria no Meio e Mensagem

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Pesquisa “Capacidade de Produção da Indústria Brasileira de Games”
Esta pesquisa sobre a Indústria Brasileira de Games tem por finalidade dimensionar a capacidade de produção da indústria brasileira de games e contribuir para a melhoria de nossa competitividade. Vamos entender quem somos, onde estamos, quantos somos e o que sabemos fazer no Brasil de melhor em games!O questionário costuma ser respondido em torno de 10 […]
Gigantes de publicidade concordam em avaliar definição mútua de discurso de ódio (em inglês)
A Aliança Global pela Mídia Responsável (GARM, na sigla em inglês), órgão que faz parte da Federação Mundial de Anunciantes e que inclui empresas de Big Tech, fechou um acordo para avaliar coletivamente como o setor deve definir o que caracteriza o discurso de ódio.Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail