Home / Moraes deverá usar poderes do STF contra fake news nas eleições

Moraes deverá usar poderes do STF contra fake news nas eleições

Fonte: Folha de São Paulo

6 de novembro de 2021

Anúncio de que prenderá quem propagar notícias falsas reforça tese de uso de recursos da corte como presidente do TSE

A afirmação do ministro Alexandre de Moraes de que responsáveis por propagar fake news nas eleições de 2022 serão presos foi interpretada no Judiciário e no mundo político como um indicativo de que ele usará poderes que tem no STF (Supremo Tribunal Federal) para presidir o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) no próximo pleito.

A declaração reforçou as informações dos bastidores de que o magistrado não pretende encerrar antes do ano que vem os inquéritos dos quais é relator e que miram o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seus aliados.

Isso porque a decretação de prisão na Justiça Eleitoral é mais restrita e, apesar de a afirmação ter sido feita em um julgamento no TSE, ela ganhou força pelo fato dele estar à frente das principais investigações sobre fake news em curso no Supremo.

Além disso, no STF o magistrado tem usado a parceria com a Polícia Federal para investigar militantes bolsonaristas e, no TSE, ele terá mais dificuldade para atuar sem ajuda da PGR (Procuradoria-Geral da República), que costuma se opor às medidas contra pessoas próximas do presidente.

No mesmo dia em que anunciou que propagadores de fake news serão presos, Moraes disse que a Justiça Eleitoral fez sua “lição de casa” e que não será pega de surpresa em 2022.

“Nós já sabemos como são os mecanismos, quais são as provas que devem ser obtidas e como. E não vamos admitir que essas milícias digitais tentem novamente desestabilizar as eleições”, disse.

A declaração reforçou a tese de que ele poderá usar os poderes que tem no STF para coibir fake news no âmbito eleitoral em 2022 porque ele anunciou que a prisão ocorrerá “por atentar contra as eleições e a democracia”, argumento que adotou diversas vezes ao ordenar a detenção de bolsonaristas.

Além disso, é raro o TSE decretar prisões, pois as detenções do âmbito eleitoral ocorrem geralmente em flagrante ou são decididas em primeira instância em investigações por financiamento ilegal de campanha, esquema de compra de votos, boca de urna ou ilícitos com caráter eleitoral.

Os inquéritos que dão este poder ao magistrado no Supremo foram abertos para, em média, ter duração de 90 a 120 dias. Todos, porém, já foram prorrogados diversas vezes por Moraes, o que deve se repetir até as eleições.

O magistrado já até driblou a PGR para assegurar a continuidade de investigações contra aliados do chefe do Executivo. Isso ocorreu em junho, quando a Procuradoria solicitou o arquivamento do inquérito dos atos antidemocráticos.

O ministro até atendeu ao pedido, mas determinou instauração de outra investigação muito similar para apurar os casos em que a PGR afirmara que deveriam ter continuidade em primeira instância por não envolver autoridades com foro especial.

Nesta decisão, só o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que tem prerrogativa de ser julgado pelo STF, por exemplo, foi mencionado 12 vezes por Moraes.

No TSE, de onde anunciou a prisão por fake news em 2022, Moraes também ajudou a apertar o cerco contra o bolsonarismo para coibir a disseminação de notícias falsas na próxima eleição.

O ministro foi um dos responsáveis pela mudança de estratégia da corte em relação ao tema.

Nas eleições anteriores, o tribunal editou resoluções e recomendações sobre a propagação de informações fraudulentas, mas as medidas não foram suficientes, e a Justiça fracassou no combate às notícias falsas.

Agora, o TSE optou por consolidar uma jurisprudência que represente de fato uma ameaça aos políticos que propagarem informações fraudulentas.

Confira matéria completa na Folha de São Paulo

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Relator do projeto das fake news quer que redes sociais tenham escritórios no Brasil
O relator do projeto das fake news, deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP), apresentou nesta quinta-feira (31) um novo parecer da matéria e disse esperar que o texto seja pautado já na próxima semana. Entre as mudanças feitas, o parlamentar detalhou que as plataformas de redes sociais (como Facebook e Twitter), ferramentas de busca e de […]
Wave Festival celebra dez anos e anuncia jurados
Festival Latino-Americano de Criatividade anuncia os primeiros jurados e presidentes de categorias de sua premiação. Inscrições estão abertas até o dia 17 de março.

Receba a newsletter no seu e-mail