Home / Lego é a marca mais poderosa do mundo em 2017

Lego é a marca mais poderosa do mundo em 2017

Fonte: Época Negócios

20 de fevereiro de 2017

A fabricante de brinquedos Lego é atualmente a marca mais poderosa do mundo, segundo ranking elaborado pela consultoria Brand Finance. A empresa dinamarquesa ultrapassou neste ano a Disney, que havia lhe tirado da primeira posição em 2016

Peça por peça, a Lego foi construindo uma história forte que a mantém como uma marca valiosa há décadas. De acordo com a  Brand Finance, a empresa tem um apelo que ultrapassa gerações — é vista como uma brincadeira criativa e educativa para crianças, ao mesmo tempo em que suscita nostalgia dos adultos. Nas últimas duas décadas, a empresa fundada em 1932 tem se posicionado para acompanhar as mudanças de comportamento dos consumidores. A Lego evita, por exemplo, utilizar propaganda focada em gênero (“esse brinquedo é de menina ou de menino”). Numa outra frente, também apostou no cinema, obtendo sucesso tanto comercial como de crítica com Uma Aventura Lego. No começo de fevereiro, chegou às telas mais um longa da marca: Batman Lego. Espera-se que o filme ajude a valorizar ainda mais a empresa.

Logo atrás da Lego no ranking, aparece o Google e, em terceiro, a Nike.  

O ranking é elaborado com base em três critérios. Um deles é perguntar aos consumidores quais marcas eles gostam e pretendem comprar. A consultoria também mede quanto cada marca gasta com marketing. Quanto maior o valor, melhor a pontuação. O último critério leva em consideração a margem de lucro e os preços dos produtos das companhias. Uma marca com margem alta e preço premium na sua categoria vai bem neste quesito.

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Balanço Conar: Conselho de Ética analisa seis cases
3ª e 4ª Câmaras do Conselho de Ética do Conar analisaram seis representações nos últimos dias, entre elas, cases da Nutrin Group e Heineken.
33 estados norte-americanos processam Meta por saúde mental das crianças
“Jovens e adolescentes estão sofrendo com níveis recordes de má saúde mental e empresas de mídia social são as culpadas”, disse a procuradora-geral de Nova York, Letitia James. “A Meta lucrou com o sofrimento das crianças, projetando intencionalmente suas plataformas com recursos manipuladores, que as viciam em suas redes sociais enquanto reduzem sua autoestima.” No […]

Receba a newsletter no seu e-mail