Home / Google paga mais de 300 editores da UE por notícias

Google paga mais de 300 editores da UE por notícias

Fonte: Reuters

11 de maio de 2022

O Google assinou acordos para pagar mais de 300 editores na Alemanha, França e outros quatro países da União Europeia por suas notícias e lançará uma ferramenta para facilitar o acesso de outros, disse a empresa à Reuters.

A medida segue a adoção de regras de direitos autorais da UE há três anos, que exigem que o Google e outras plataformas online paguem músicos, artistas, autores, editores de notícias e jornalistas pelo uso de seu trabalho.

Os editores de notícias, entre os críticos mais ferozes do Google, há muito pedem aos governos que garantam que as plataformas online paguem uma remuneração justa por seu conteúdo. A Austrália tornou esses pagamentos obrigatórios no ano passado, enquanto o Canadá introduziu uma legislação semelhante no mês passado. 

“Até agora, temos acordos que abrangem mais de 300 publicações nacionais, locais e especializadas na Alemanha, Hungria, França, Áustria, Holanda e Irlanda, com muitas outras discussões em andamento”, Sulina Connal, diretora de notícias e parcerias de publicação.

Dois terços deste grupo são editores alemães, incluindo Der Spiegel, Die Zeit e Frankfurter Allgemeine Zeitung.

“Agora estamos anunciando o lançamento de uma nova ferramenta para fazer ofertas para milhares de editores de notícias, começando na Alemanha e na Hungria e sendo lançada em outros países da UE nos próximos meses”, disse Connal no blog.

A ferramenta oferece aos editores um contrato estendido de visualização de notícias que permite que o Google mostre snippets e miniaturas por uma taxa de licenciamento.

Confira matéria na Reuters

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Na Índia, indústria publicitária está otimista após desmonetização (em inglês)
Os consumidores da Índia foram impactados negativamente pela desmonetização de sua moeda. A indústria publicitária, no entanto, está otimista de que os níveis de consumo serão retomados em 2017 e algumas marcas viram na crise uma oportunidade para serem mais criativas em suas campanhas, buscando amenizar o pessimismo e aprofundar suas conexões emocionais com o consumidor.
No Brasil, 80% acreditam no que leem nas redes sociais, diz pesquisa
O questionário da CNT/MDA deu quatro opções como meio de informação para saber em quais o entrevistado tem mais confiança: Google, WhatsApp, Facebook e Twitter. Metade dos entrevistados também afirmou não prestar atenção em propagandas veiculadas na internet.

Receba a newsletter no seu e-mail