Home / Google institui novas regras para privacidade de menores

Google institui novas regras para privacidade de menores

Fonte: Meio&Mensagem

10 de agosto de 2021

Empresa impõe restrições na segmentação de anúncios para tentar proteger exposição desse público

Em resposta a uma demanda do público e das leis de privacidade de dados ao redor do globo, o Google anunciou nesta terça-feira, 10, medidas que visam tornar a experiência dos usuários menores de 18 anos mais segura e seus dados menos acessíveis. As mudanças ocorrem em diversos produtos e serviços da companhia, incluindo segmentação de anúncios, Google Search, YouTube, Google Assistant e Google Images.

Agências e anunciantes não poderão mais segmentar publicidade para pessoas menores de 18 anos com base em sua idade, gênero ou interesses. O Google informa que também restringirá a exibição de anúncios de categorias sensíveis à idade, ainda que não tenha citado quais seriam essas categorias. Apesar do YouTube Kids já não permitir anúncios ou product placement pago, a versão da plataforma para crianças também terá conteúdos “extremamente comerciais” removidos, como vídeos de unboxing ou que incentive crianças a gastarem dinheiro.

Ainda se tratando do YouTube, a empresa vai tornar padrão que todos os vídeos publicados por menores de idade só fiquem disponíveis para o próprios usuários e outras contas que o mesmo escolher. Para tornar o conteúdo público, o usuário deverá alterar as configurações. Da mesma forma, o YouTube vai desligar o autoplay ao final dos vídeos. O autoplay será uma possibilidade para maiores de 18 e no YouTube Kids, caso selecionado nas configurações.

Além disso, a plataforma de vídeos notificará usuários com lembretes para dar uma pausa nos vídeos ou ir dormir. Essas mensagens também poderão ser desligadas. A intenção do YouTube com essa última atualização é promover bem-estar digital.

No Google Images, a empresa incluirá uma nova política que autoriza que pessoas com menos de 18 anos ou seus responsáveis solicitem a remoção das suas imagens nos resultados. Isso não removerá a imagem da internet, mas ajuda o público a ter maior controle sob suas informações. As políticas de privacidade também foram reforçadas nas contas. Menores de idade não poderão mais ativar o Histórico de Localização em suas configurações da Conta do Google. A empresa diz que essa configuração é padrão para todas as contas.

“Queremos ajudar os usuários mais jovens a tomar decisões informadas sobre sua pegada online e privacidade digital, incluindo incentivá-los a fazer uma escolha intencional se quiserem tornar seu conteúdo público”, escreveu James Beser, diretor de gerenciamento de produtos do YouTube, em um post no blog da companhia.

Outras modificações incluiram: tornar padrão o SafeSearch para menores de 18 anos para que não sejam expostos a conteúdo explícito; a possibilidade de filtrar notícias, podcasts e páginas da web acessados através do Google Assistant; e a criação de uma aba no Google Play com maior detalhamento sobre como os aplicativos lidam com dados para que famílias sejam melhor informadas.

As mudanças no Google Images e no YouTube devem ocorrer nas próximas semanas e as relativas à segmentação de anúncios, SafeSearch e Google Assistant terão continuidade nos próximos meses.

Confira a matéria no Meio&Mensagem.

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Pirataria desvia R$ 2 bi de impostos por ano, calcula ABTA
Estimativa divulgada pela ABTA, com base em dados da Anatel e do IBGE, é de que danos totais da pirataria de TV por assinatura, incluindo sobre as empresas que operam o serviço de forma legal, chegam a R$ 15,5 bilhões.Leia Mais
Procon-SP multa Facebook por apagão
O Procon-SP multou a empresa Meta em R$ 11 milhões pelo apagão do dia 4 de outubro. Segundo o diretor executivo do Procon-SP, Fernando Capez, "embora o serviço não seja cobrado, a empresa lucra com os usuários, logo, há relação de consumo".

Receba a newsletter no seu e-mail