Home / Europa amplia proibição das práticas de ‘publicidade comportamental’ da Meta

Europa amplia proibição das práticas de ‘publicidade comportamental’ da Meta

Fonte: Jornal de Brasília

7 de novembro de 2023

As autoridades europeias ampliaram a proibição das práticas de “publicidade comportamental” da Meta (companhia-mãe do Facebook, Instagram e WhatsApp) para a maior parte dos países da Europa na quarta-feira, 1º. A decisão estabelece um conflito mais amplo entre as instituições do continente preocupadas com a privacidade e a gigante americana da tecnologia.

A publicidade comportamental, usada pelos aplicativos do Facebook e do Instagram, entre muitas outras empresas de tecnologia, envolve a observação do comportamento individual, como hábitos de navegação, cliques do mouse e uso de aplicativos, e depois o uso desses dados para criar perfis para a segmentação de anúncios personalizados.

A decisão do Conselho Europeu de Proteção de Dados representa uma forte escalada de uma disputa que começou na Noruega, onde as autoridades de privacidade impuseram uma multa de 1 milhão de coroas (cerca de US$ 90 mil) – à Meta por obter esses dados sem o consentimento adequado. Essas multas vêm se acumulando desde 14 de agosto.

Em comunicado após a ação do conselho europeu, a Meta diz que a decisão “ignora injustificadamente esse processo regulatório cuidadoso e robusto”. A empresa disse que cooperou com os órgãos reguladores e apontou para seus planos anunciados de dar aos europeus a oportunidade de consentir com a coleta de dados. No final de outubro, a companhia anunciou um serviço de assinatura sem anúncios para usuários na Europa, custando a partir de 9,99 euros (US$ 10,59) por mês para acesso a todos os seus produtos.

Tobias Judin, chefe da seção internacional da Autoridade Norueguesa de Proteção de Dados, disse que as medidas propostas pela Meta provavelmente não atenderão aos padrões legais europeus. Por exemplo, disse ele, o consentimento teria que ser dado livremente, o que não seria o caso se os usuários existentes tivessem que escolher entre abrir mão de seus direitos de privacidade ou pagar uma penalidade financeira na forma de uma assinatura.

“O modelo de negócios da Meta está em desacordo com a lei e com os direitos fundamentais dos usuários, e a Meta não vai recuar de bom grado”, disse Judin por e-mail à reportagem. “Eles continuam com suas atividades ilegais até hoje, simplesmente porque violar a lei é muito lucrativo.”

Confira matéria no Jornal de Brasília

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Barroso cobra regulação de big techs e fala em avenida de mentiras como estratégia política
O ministro Luís Roberto Barroso, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) e do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), defendeu nesta quinta-feira (26) a regulação de plataformas digitais para um “controle mínimo sobre o que chega ao espaço público”. Em evento na Câmara dos Deputados, Barroso afirmou que a internet revolucionou a comunicação social, possibilitando o acesso à informação sem depender exclusivamente da […]
Marcas de luxo tentam driblar crise com tecnologia e serviços
Estudo do Boston Consulting Group mostra que o mercado de luxo terá uma expansão menor, de 2% a 5% anuais, obrigando as empresas a investir em novas maneiras para continuar crescendo.

Receba a newsletter no seu e-mail