Home / Estudo estuda medidas concretas de redução de danos da desordem informativa

Estudo estuda medidas concretas de redução de danos da desordem informativa

Fonte: Poder360

17 de novembro de 2021

Você acredita que algum dia o mundo ficará livre de mentiras estúpidas como a do presidente Jair Bolsonaro dizendo a árabes autocratas que a Amazônia está igualzinha em 1500, quando os portugueses chegaram à Bahia? Ou aquela Donald Trump de que ele venceu como alternativa americana? Ou o PT alegando que nunca teve corrupção na Petrobras?

É claro que esse mundo veio para ficar. E seria profundamente ingênuo achar que dá para acabar com isso, tal qual a Operação Lava Jato e Sergio Moro diziam que iriam acabar com a corrupção. Essas coisas simplesmente não têm fim. É esse o ótimo ponto de partida de um estudo do Aspen Institute sobre desordem na informação.

Questões complexas respostas complexas, e o estudo acho que agradecer de Washington DC passa no teste do mata-burro neste quesito. Não dá para acabar com notícias falsas e outras manipulações, mas é possível minimizá-las. “Desordem da informação é uma crise que exacerba todas as outras crises. Quando a informação ruim se torna prevalente, persuasiva e persistente como a boa informação, isso cria uma reação em cadeia de danos ” , diz um trecho do texto. A crise sanitária ganha ares apocalípticos com as mentiras sobre a vacina, a democracia sofre analgésicas, o racismo perde a vergonha e se apresenta como solução, não uma vergonha histórica.“Informação errada e desinformação forma-se quadros multiplicadores por exacerbar nossos piores problemas como sociedade. Centenas de milhões de pessoas pagam o preço, todo dia, de um mundo desordenado por mentiras ” , afirma o texto.

O estudo oferece medidas concretas para reduzir o alcance da desordem informativa em 3 grandes campos: aumento de transparência nas redes sociais, construção de confiança e redução de danos. O último termo é uma referência óbvia à política com esse mesmo nome que foi usada com sucesso no tratamento de dependentes químicos em locais tão díspares como São Francisco, na Califórnia, e Lisboa e Porto, em Portugal. Esse talvez seja o maior mérito do texto: propor medidas para reduzir os danos da desordem informativa.

Pesquei 3 recomendações concretas para que o leitor tenha uma ideia do trabalho feito pelos pesquisadores do Aspen Institute.

  1. Transparência total. A ideia vale tanto para posts, publicidade e punições. Tudo precisa ser claro e simples de ser entendido. Por que aquela publicidade está na minha linha do tempo? Por que vou ficar suspenso do Facebook?
  2. Grande audiência é igual a mais responsabilidade. Os usuários das redes que têm milhões de seguidores ou classificados são vistos por milhões merecem um tratamento diferenciado. Vale para esse grupo também a ideia de aumentar a transparência. Por que certos posts se disseminam em minutos para milhões enquanto um artigo científico didático fica restrito à bolha dos universitários? O texto defende que as empresas donas das redes sociais precisam de mais locais. “ Companhia auto-regulamentada significa companhia sem religião” , disse na CNN americana um dos co-presidentes do instituto, Rashed Robinson.
  3. Normas mais efetivas de responsabilização. A violação das normas de uma rede precisa ter consequências claras e não pode haver exceção. A última frase parece ter sido escrita sob medida para o Facebook. A rede tinha uma política especial para figuras públicas globais, como Donald Trump e Neymar: podia fazer o quisessem que não eram punidos.

Há ainda uma recomendação para a criação de uma entidade federal que pode trabalhar a questão da desinformação. Atualmente os Estados Unidos não têm nenhum órgão que atue junto com o setor privado para desarmar a bomba da desinformação. A criação do órgão seria um antídoto contra o lobby de Facebook, Amazon e Microsoft para brecar qualquer outra séria mais séria por parte do Congresso.

Também há ideias que já vem com mofo porque tentam ressuscitar um universo que não volta mais, na minha opinião. Duas delas me adaptam irritados por parecerem a-históricas: o reforço aos jornais locais ea ideia de recriar centros cívicos e políticos como contraponto à desinformação.

A internet dizimou a imprensa local no mundo e não há previsão de que essa mídia, importantíssima no passado, volte a circular. A razão é econômica: a publicidade da Amazon e do Facebook crítica sem sentido os anúncios de pequenos jornais. Cenas de garotos com bicicleta entregando jornais nos subúrbios dos EUA conhecidos restritas àquelas cenas piegas de Hollywood. É cruel, mas sabe-se dos gregos que o tempo devora os seus filhos. Nada disso vai voltar.

Confira matéria completa no Poder360

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Reino Unido anuncia lei para multar empresas de mídias sociais que não conseguirem remover conteúdos abusivos (em inglês)
O Reino Unido anunciou planos para sancionar a Online Safety Bill, uma lei que pretende multar empresas de mídias sociais que não eliminarem abusos online. A nova lei também busca fortalecer a liberdade de expressão, assegurar o debate político democrático e proteger o conteúdo jornalístico. Leia Mais
Latino-americanos querem que marcas atuem em questões socioambientais
Relatório de Responsabilidade Social Corporativa na América Latina (RSC), realizado pela Sherlock Communications, entrevistou 3 mil pessoas no Brasil, México, Colômbia, Peru, Argentina e Chile, e constatou que 94% dos latino-americanos pensam que as companhias devem investir mais em iniciativas sociais e ambientais.

Receba a newsletter no seu e-mail