Home / Demissões nas big techs ampliaram desinformação na internet, diz NYT

Demissões nas big techs ampliaram desinformação na internet, diz NYT

Fonte: Terra

15 de fevereiro de 2023

O YouTube reduziu o seu time responsável por combater a desinformação na polícia em escala global a um único funcionário

Enfrentando dificuldades econômicas e cada vez mais pressões legais, redes como o YouTube decidiram empregar menos esforços e dinheiro ao combate à desinformação, demitindo experts no assunto e deixando áreas responsáveis completamente abandonadas, noticiou o jornal dos EUA New York Times

Segundo fontes ouvidas pelo portal, um corte de 12 mil funcionários na Alphabet, dona do grupo de big techs do qual o YouTube faz parte, fez com que a plataforma de vídeos reduzisse o seu time responsável por combater a desinformação na polícia em escala global a um único funcionário. 

O YouTube demitiu dois de seus cinco especialistas em desinformação, incluindo o gerente da equipe, deixando para trás uma pessoa por desinformação política e duas por desinformação médica. A rede também demitiu dois de seus cinco especialistas em políticas, chamados de líderes, que trabalham com questões de discurso de ódio e assédio.

Os funcionários desligados eram responsáveis por delimitar limites entre o aceitável e o inaceitável nos discursos produzidos por criadores na plataforma. As fontes também informaram ao NYT que a empresa também demitiu funcionários resposnáveis por aplicações de políticas em situações que demandam respostas mais urgentes. 

A plataforma de vídeos afirmou que os cortes na empresa condizem com as demissões de 6% do quadro de funcionários da Alphabet. 

Fora do YouTube, o Google demitiu uma equipe de gerentes de um programa que ajudava especialistas em políticas, de acordo com documentos analisados pelo NYT.

YouTube não está sozinho

Mas não é só essa rede social que enfrenta o problema. O Twitter, adquirido pelo bilionário Elon Musk em outubro de 2022, também realizou cortes no mesmo sentido, assim como a Meta, dona do FacebookInstagram e WhatsApp.

“Não acho que está tudo acabado, mas perdemos batalhas importantes”, diz Angelo Carusone, presidente da associação Media Matters for America. O ativista descreve o motivmento como uma “fadiga” e “perda de apetite” pelo combate à desinformação após anos de luta.

Confira matéria no Terra

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Como é – e o que permite – o código para publicidade de casas de apostas
No último dia 9, aconteceu em Brasília o lançamento do Código Brasileiro de Auto-regulamentação Publicitária desenvolvido pelo Instituto Brasileiro de Jogo Responsável (IBJR). As recomendações foram pensadas com diretrizes direcionadas às empresas do segmento de apostas esportivas. O objetivo desse código é fazer com que as casas de apostas, veículos de comunicação e produtores de […]
Balanço Conar: Conselho de Ética analisa quatro representações
A 2ª Câmara do Conselho de Ética do Conar se reuniu nesta quinta-feira, 11 de março, e analisou dois recursos ordinários, além de cases do Primata Parrilla e do KFC.  Confira os resultados: Representação Nº 181/20, em recurso ordinário, “Claro – Assine 240 mega por R$99,99 por mês”. Resultado: arquivamento por unanimidade. Representação Nº 192/20, em […]

Receba a newsletter no seu e-mail