Home / Como é – e o que permite – o código para publicidade de casas de apostas

Como é – e o que permite – o código para publicidade de casas de apostas

Fonte: Meio e Mensagem

24 de maio de 2023

No último dia 9, aconteceu em Brasília o lançamento do Código Brasileiro de Auto-regulamentação Publicitária desenvolvido pelo Instituto Brasileiro de Jogo Responsável (IBJR). As recomendações foram pensadas com diretrizes direcionadas às empresas do segmento de apostas esportivas.

O objetivo desse código é fazer com que as casas de apostas, veículos de comunicação e produtores de conteúdo, tenham princípio éticos para o segmento de comunicação. Seja ao executarem promoções ou veicularem propagandas e anúncios publicitários.

Segundo André Gelfi, diretor-presidente do IBJR, esse documento deve trazer as boas práticas de publicidade usadas em mercados regulamentados, como os Estados Unidos e Inglaterra, para a publicidade brasileira.

“Com o código, queremos que as marcas se comuniquem de forma transparente, alertando as restrições etárias e riscos do consumo excessivo, sem apelo ao consumo dos produtos de entretenimento nem gerando desinformação a respeito dos ganhos dos jogadores”.

Para isso, as nove empresas que fazem parte do instituto devem seguir rigorosamente as regras estabelecidas pelo documento. São elas: Bet365, Flutter, Entain, Betsson Group, Betway Group, Yolo Group, Netbet Group, KTO Group e Rei do Pitaco.

Ligação com a Medida Provisória

Com o avanço da Operação Penalidade Máxima, o Ministério da Fazenda divulgou a elaboração de uma Medida Provisória para regulamentar a atuação de casas de apostas esportivas no Brasil. O texto, que ainda não foi publicado, foi assinado pelos Ministérios da Fazenda, Planejamento, Saúde, Turismo e Esportes.

O Ministério da Fazenda diz que caberá ao Conselho Nacional de Auto-regulamentação Publicitária (Conar) definir as regras para a parte de comunicação e marketing estabelecidas para o segmento.

No entanto, o impasse na publicação oficial do documento preocupa o diretor do IBJR, que entende que a regulamentação trará diretrizes que serão importantes para a publicidade do setor. Gelfi afirma que esse movimento deve proteger os consumidores, a sociedade e as empresas.

“Estamos aguardando os próximos passos e colocando toda a experiência e o conhecimento dos membros do IBJR à disposição das autoridades”, diz. O executivo completa afirmando que o intuito do instituto é contribuir para o debate para a criação da regulamentação.

Quais são as principais diretrizes do documento de autorregulamentação?

A princípio, o documento traz uma regra geral para regulamentar esse tipo de atividade. Todas as diretrizes são, então, distribuídas para termos mais específicos para conteúdo, proteção a menores, mensagem a jogo responsável, horário de veiculação e patrocínio a times esportivos.

Com isso, o documento estabelece que: “Sendo as apostas esportivas produtos de uso com restrições e impróprios para determinados públicos e situações, as comunicações e publicidades deverão ser estruturadas de maneira socialmente responsável, sem se afastar da finalidade precípua de difundir marcas e características, ficam vedados, por texto ou imagem, direta ou indiretamente, inclusive o slogan, o apelo imperativo de consumo e a oferta exagerada do produto em qualquer peça de comunicação”.

André Gelfi diz que, após o lançamento do documento, muitas empresas de apostas contataram o Instituto, pois se identificaram com as diretrizes de publicidade. “No momento, estamos analisando a entrada de novos membros no instituto”, diz.

IBJR estabelece princípios básicos

Os princípios básicos para a autorregulamentação garantem algumas diretrizes que têm como foco a criação de formas de comunicação e marketing eficientes e éticas. Dentre essas, são estabelecidos que a comunicação deve ser verdadeira, e não enganosa ou excessivamente promissora. Não deve ter linguagem indecente ou fazer apologia / retratar atividade criminosa e deve exibir com clareza a marca ou apoiador.

Além disso, essa publicidade deve ser baseada pela Lei 7.716/1989, que diz que a comunicação não deve degradar a imagem ou o status de pessoas de qualquer minoria étnica, grupo religioso, gênero, orientação sexual, preferência política.

Não é permitido, por exemplo, que as campanhas despertem a esperança nas mentes dos consumidores de que a participação levará ao enriquecimento ou que induzam ao erro. Ou deixar implícito que o sucesso da atividade de apostas esportivas depende da experiência e conhecimento do consumidor;

Nenhuma das comunicações deve ser voltada para menores de 18 anos e devem, ainda, conter um aviso legal ou um símbolo ’18+.

Os influenciadores ou garotos-propaganda dessas instituições não devem ter menos que 25 anos e não devem sugerir que menores de idade devam apostar.

Assim como para medicamentos, uma mensagem padronizada, destinada a promover o jogo responsável, deve ser adicionada. Esse conteúdo deve ser padronizado entre os signatários do Código.

Para o horário, algumas restrições são impostas. A comunicação não deve ser apresentada entre as 06h e 21h (horário local). Com exceção a campanhas em torno de eventos esportivos televisionados ao vivo que podem ocorrer de uma hora antes do início programado.

É possível encontrar a apresentação do Código Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária, desenvolvido pelo IBJR, no link.

Confira matéria no Meio e Mensagem

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

A importância do mercado publicitário na economia baiana
Em um período marcado por mudanças abruptas, incertezas e receio do futuro, é possível chegar a uma conclusão: o mercado publicitário baiano segue se adaptando e movimentando a economia do estado.  E essa percepção não é apenas minha, o Censo Agências, realizada com apoio da Federação Nacional das Agências de Propaganda (Fenapro) e Sinapro Bahia, […]
Por que as questões éticas são tão importantes quando se trata de IA
A pressa em adotar novos e poderosos modelos de IA generativa, como o ChatGPT, tem gerado muita preocupação sobre possíveis danos e usos indevidos. Sem uma legislação para lidar com essas questões, há uma pressão cada vez maior sobre as empresas responsáveis pelo desenvolvimento dessas tecnologias para que as implementem de forma ética. Mas o que […]

Receba a newsletter no seu e-mail