Home / Biden divulga a primeira ordem executiva de IA enquanto a indústria publicitária gasta bilhões no avanço da tecnologia

Biden divulga a primeira ordem executiva de IA enquanto a indústria publicitária gasta bilhões no avanço da tecnologia

Fonte: Media Post

30 de outubro de 2023

Uma ordem executiva sobre inteligência artificial (IA) divulgada pelo presidente dos EUA, Joe Biden, exige avaliações de segurança, orientações sobre equidade e direitos civis e pesquisas sobre o impacto do mercado de trabalho.

A indústria da publicidade investiu ativamente bilhões de dólares na automatização de processos, desde a veiculação de anúncios até licitações e avanços criativos, para ter a oportunidade de agilizar processos e reorganizar responsabilidades profissionais.  

Os profissionais de marketing ficaram entusiasmados com a IA generativa (GAI), pois 14% já investiram em ferramentas.

Outros 63% planejam fazer o mesmo nos próximos 24 meses, mas os desafios de gestão de riscos são iminentes. Apesar do entusiasmo, apenas um pouco mais da metade dos entrevistados vê maior recompensa do que risco no GAI, de acordo com a Martech Survey Research Note de 2023 da Gartner.

O Google intensificou um investimento em IA na semana passada – comprometendo US$ 2 bilhões para a startup Anthropic, alimentando a corrida para se alinhar com empresas emergentes para encontrar o próximo grande avanço. O investimento inicial de 500 mil milhões de dólares é um precursor de outros 1,5 mil milhões de dólares ao longo do tempo, de acordo com um  relatório .

A Amazon também investiu na Anthropic , desenvolvedora do Claude 2, um chatbot fundado em 2021 para rivalizar com o ChatGPT da OpenAI. Slack, Notion e Quora usam sua tecnologia.

Agências como o Grupo WPP criaram parcerias com fabricantes de chips para promover a publicidade através da IA. No início deste ano, a WPP fez parceria com a NVIDIA para desenvolver um “mecanismo de conteúdo que aproveita o NVIDIA Omniverse”.

O mecanismo conecta um ecossistema de ferramentas de design 3D, fabricação e cadeia de suprimentos criativa, incluindo as da Adobe e Getty Images, permitindo que os artistas e designers do WPP integrem a criação de conteúdo 3D com IA generativa.

Embora as empresas de tecnologia e as agências de publicidade tenham sido os seus próprios vigilantes, a Casa Branca interveio, trabalhando com grandes promotores numa série de compromissos voluntários para sistemas de equipe vermelha por terceiros antes de os lançar. O red-teaming tem como objetivo revelar riscos para uma empresa que os testes tradicionais podem não revelar.

A ordem levou meses a ser criada, mas a ordem executiva reflete as preocupações da Casa Branca de que a tecnologia se não for controlada poderá representar riscos significativos para a segurança nacional, a economia, a saúde pública e a privacidade.  

A medida também visa proteger a privacidade do consumidor, eliminar ou reduzir preconceitos e avaliar como as agências recolhem e utilizam informações comercialmente disponíveis ao consumidor, adquiridas através de corretores de dados. Também deve garantir o uso responsável pelo governo dos EUA.

Cerca de 15 empresas tecnológicas sediadas nos EUA – Google, Microsoft, OpenAI e outras – concordaram em implementar compromissos voluntários de segurança da IA ​​como um passo em direção à regulamentação para o desenvolvimento da tecnologia.

O anúncio ocorre dias antes de o vice-presidente dos EUA, Harris, participar de uma cúpula global sobre IA em Londres.

Em agosto, a Casa Branca desafiou milhares de hackers e pesquisadores de segurança a superar os principais modelos de IA generativa de empresas como OpenAI, Google, Microsoft, Meta e Nvidia. O AI-hackathon ocorreu como parte do DEF CON, onde os participantes tiveram menos de uma hora para enganar os chatbots para que fizessem coisas que
não deveriam fazer, como dar instruções potencialmente perigosas ou gerar notícias falsas.

A Casa Branca dividiu a ordem executiva em oito partes, incluindo a criação de novos padrões de segurança e proteção para IA:

  • Protegendo a privacidade do consumidor
  • Promoção da equidade e dos direitos civis
  • Proteger os consumidores orientando o Departamento de Saúde e Serviços Humanos a criar um programa que avalie as práticas de IA
  • Apoiar os trabalhadores através de um relatório sobre as potenciais implicações no mercado de trabalho, promovendo a inovação e a concorrência através da expansão das subvenções para a investigação
  • Trabalhar com parceiros internacionais para implementar padrões internacionais em todo o mundo
  • Desenvolver orientações para o uso e aquisição de IA pelas agências federais e acelerar a contratação pelo governo de trabalhadores qualificados na área

A definição das bases para esses avanços está em processo há meses. Em Janeiro, o Grupo de Trabalho Nacional de Investigação de Recursos de Inteligência Artificial (NAIRR) divulgou o seu  relatório final para a criação de uma infra-estrutura nacional de investigação que alargaria o acesso aos recursos essenciais para a investigação e desenvolvimento de IA.

Confira matéria no Media Post

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

TCU suspende mídia programática pelo Governo Federal
O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou cautelarmente ao Ministério das Comunicações que cesse de imediato os investimentos do Governo Federal em campanhas publicitárias nas plataformas, canais ou mídias “cuja audiência ou público-alvo sejam estranhos ao que se pretende comunicar ou, ainda, que se relacionem a atividades ilegais”.Leia Mais
O novo mapa da indústria de agências do Brasil
Artigo de Pyr Marcondes explica como o mapa das agências de publicidade do Brasil está mudando, com novos grupos nacionais figurando ao lado de holdings globais, mas também sem barreiras fixas, com setores invadindo as fronteiras de outros. Leia Mais

Receba a newsletter no seu e-mail