Home / Análise revela mil grupos ativos de desinformação nociva no Facebook

Análise revela mil grupos ativos de desinformação nociva no Facebook

Fonte: Media post

1 de novembro de 2021

A grande mudança de marca do CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, para Meta parece ter a atenção da mídia por causa de algumas de suas notícias negativas recentes, mas a equipe do media watchdog
Media Matters for America está mantendo o calor na recente exposição de Facebook Papers, publicando uma análise de mais de 1.000 grupos prejudiciais criados em torno do COVID-19 e desinformação eleitoral ainda encontrados em operação no Facebook. 

Em uma análise recente  , Kayla Gogarty, diretora de pesquisa associada da Media Matters, relatou a identificação de mais de 1.000 grupos ativos no Facebook, com cerca de 2 milhões de membros combinados, promovendo a disseminação do COVID-19 ou desinformação eleitoral. 

Especificamente, em julho, a Media Matters descobriu pelo menos 284 grupos anti-vacinas públicos e privados no Facebook, com 520.000 membros combinados, espalhando regularmente desinformação sobre vacinas e / ou teorias de conspiração. 

“Uma semana depois desse relatório, quase 85% dos grupos ainda estavam ativos”, afirma o artigo. 

Em agosto, eles identificaram mais 171 grupos no Facebook vomitando retórica anti-máscara e desinformação, com 200.000 membros adicionais. 

Em setembro surgiram outros 60 grupos do Facebook, com 65.000 membros no total, promovendo o uso da ivermectina como tratamento adequado para o COVID-19. “Esses grupos estavam cheios de usuários perguntando onde adquirir ivermectina”, diz o artigo. Em 10 de outubro, 37 dos 60 grupos ainda estavam ativos. 

Embora Gogarty tenha deixado claro que “é extremamente problemático que todos esses grupos ainda estejam ativos na plataforma”, ela disse que esse fato, infelizmente, não era surpreendente. 

“É consistente com o padrão que temos visto”, afirmou ela. “O Facebook não é muito claro ou transparente sobre qual é o limite para realmente remover um grupo. Costumam dizer que deve haver posts dedicados à desinformação, mas muitas vezes não os vemos removidos ”.

Embora os administradores e moderadores de grupos sejam os próprios usuários com os quais o Facebook depende para manter as comunidades online sob controle, Gogurty descobriu “muitos administradores encorajando propositalmente seus membros a usar essas táticas de evasão … dizendo a outros membros para ‘usar palavras em código’ e ‘poste nos comentários’ de uma postagem normal. ”

“Há uma falta de consistência em termos de fiscalização”, acrescentou Gogarty. “Muitas das políticas não são completamente suficientes, mas mesmo aquelas que eles têm não estão sendo aplicadas de forma adequada. Se os grupos estiverem dizendo especificamente ‘os comentários são menos moderados, poste seu conteúdo mais incendiário no comentário’, isso parece ser uma violação bastante clara das políticas do Facebook ”.

Referindo-se ao poder real do Facebook de agir sobre movimentos prejudiciais na plataforma, Gogarty apontou para o tratamento que dão ao crescente Partido Patriota. 

De acordo com um relatório recente do The Wall Street Journal  , o Facebook adotou uma abordagem “ad hoc” (como se estivesse “jogando um golpe-a-toupeira”) ao intervir em grupos que considerou perigosos. Em termos de diminuir o Partido Patriota, o Facebook dificultou propositadamente o compartilhamento do conteúdo pelos organizadores do movimento e restringiu a visibilidade dos grupos envolvidos. Um documento incluído no Facebook Papers dizia: “Fomos capazes de cortar termos como o Partido Patriota pela raiz, antes da adoção em massa”.

Com tantos grupos nocivos ainda ativos na plataforma, Gogarty acredita abordagem do Facebook “ad hoc” é a própria prova de que ele não “tem as ferramentas necessárias para lidar com estes problemas; eles estão apenas optando por não fazê-lo em muitos desses casos ”.

Um artigo recente da Time  relatou vários comentários incluídos nos documentos que vazaram que mostram as tentativas dos funcionários de reprimir esses grupos prejudiciais: “por que não desativar os comentários nas postagens?” 

 Em 2 de março, um funcionário do Facebook escreveu: “Muito interessado em sua proposta de remover TODOS os comentários in-line para publicações de vacinas como uma solução provisória até que possamos detectar suficientemente a hesitação da vacina nos comentários para refinar nossa remoção”.

Em vez de levar a sugestão a sério, Zuckerberg decidiu, em 15 de março, o Facebook rotularia algumas publicações de vacinas como seguras. De acordo com Imran Ahmed, CEO do Center for Countering Digital Hate, “a mudança permitiu que o Facebook continuasse a obter alto envolvimento – e, em última instância, lucro – com os comentários anti-vacina”.

“Obviamente, com o COVID agora e a hesitação da vacina, isso tem impactos prejudiciais no mundo real, que muitas vezes é o que o Facebook diz que eles tentam evitar”, disse Gogarty. Um exemplo disso é a divulgação reveladora de conteúdo violento e odioso pelos The Facebook Papers na Índia, o maior mercado do Facebook.

“Queremos ter certeza de que as pessoas estão cientes de que esses grupos ainda existem na plataforma, apesar de tudo o que o Facebook disse que eles estão fazendo”, acrescentou Gogarty. “Sabemos que eles têm uma base de usuários muito grande, o que explica por que esses problemas são tão grandes. O Facebook geralmente dá lucro ao resolver qualquer um desses problemas; vimos isso acontecer uma e outra vez. Eu realmente gostaria que eles dessem uma boa olhada em alguns desses grupos e aplicassem suas políticas e parassem de colocar o lucro à frente dessas questões. ”

Confira matéria completa no Media Post

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Investimentos em publicidade na Índia devem crescer 13,5% em 2017 (em inglês)
O crescimento mais expressivo, no entanto, é esperado para depois do mês de abril. Em 2016, os investimentos em publicidade na Índia cresceram 12,5%. Os dados são do Pitch Madison Advertising Report.
Big techs acumulam críticas e lideram ranking de rejeição no mundo todo
A Microsoft ocupa o primeiro lugar no ranking das big techs mais odiadas no Brasil. Já o Facebook e o Google são as marcas de tecnologia mais rejeitadas em 24 países. Tais constatações foram divulgadas pela Rave Reviews, que selecionou as maiores marcas globais de tecnologia e realizou um estudo com base nos tweets feitos por seus clientes. Por meio de uma ferramenta chamada SentiStrenght, os pesquisadores filtraram os comentários da […]

Receba a newsletter no seu e-mail