Home / 82% das agências aumentaram receitas, afirma pesquisa da Sinapro/Fenapro

82% das agências aumentaram receitas, afirma pesquisa da Sinapro/Fenapro

Fonte: Propmark

8 de maio de 2023

O sistema Sinapro/Fenapro revelou mais uma pesquisa VanPro que aponta boas expectativas para os negócios do mercado. Os dados, colhidos em março deste ano, se referem a 2022 e mostram que a receita da maioria das empresas do setor seguiu em crescimento no ano passado, em comparação a 2021, assim como a percepção de um futuro melhor.

A VanPro mostra que, em 2022, 82% das agências aumentaram suas receitas em comparação ao mesmo período de 2021, e destas, 30% cresceram acima de 30%.

Segundo a pesquisa, o sistema destaca que, entre as empresas que cresceram mais de 20%, a distribuição por tamanho da equipe, receita, tempo de empresa ou região do país é praticamente uniforme.“As agências que conseguiram esse êxito o fizeram por conta de suas decisões, posicionamentos e gestão”, diz Daniel Queiroz, presidente da Fenapro (Federação Nacional das Agências de Propaganda).

Sondado pela primeira vez pela VanPro, o uso de ferramentas de inteligência artificial no trabalho criativo também está em crescimento dentro das agências, com 1/3 delas já utilizando e outro terço com pretensões em adotar a tecnologia ainda este ano.

Sob o ponto de vista financeiro, o cenário foi considerado de estabilidade. Na comparação do desempenho, 50% registraram aumento de receita em relação a 2021, índice próximo ao da pesquisa anterior, de 53%. Outro destaque é que 30% do total dos entrevistados apontou aumento de receita superior a 20% em 2022.

Já 32% das empresas apontaram estabilidade na receita, na comparação de 2022 com 2021. Em contrapartida, na ponta de quem não ganhou, 8% reportaram perdas de mais de 30% de sua receita em 2022.

Sobre as perspectivas de futuro para a própria agência, 65% dos entrevistados as consideram boas em 2023, e 25% preveem estabilidade.

O índice dos que estimam um futuro ruim, muito ruim ou de interrupção das atividades variou de 5% para 7%, enquanto os que não conseguem prever são 3% dos respondentes.

“As projeções de futuro mostram que o crescimento empresarial e do setor talvez passe mais por aproveitar as oportunidades e criar possibilidades de aumento de receita do que de condições externas. Os 30% que apontaram crescimento superior a 20% mostram que este caminho é possível”, analisa o presidente da Fenapro.

O perfil predominante dos participantes da pesquisa é similar ao das sondagens feitas anteriormente. A maioria dos respondentes foi de agências full-service (96%), com equipes de até 20 pessoas (58%), que têm mais de 20 anos de atuação (44%) ou entre 11 e 20 anos (35%). E 95% são associadas ao Sinapro de seu estado, e 78% certificadas pelo Cenp.

Assim como nas sondagens anteriores, o perfil de receita anual das empresas é mais diverso do que os outros fatores. O maior número é de agências com até R$ 1 milhão de receita, representando em torno de 35% das empresas.

Cerca de 29% têm receita anual entre R$ 1 milhão e R$ 3 milhões; 12%, entre R$ 3 milhões e R$ 5 milhões; e 10%, de R$ 5 milhões a R$ 10 milhões. As empresas com receita anual superior a R$ 10 milhões representaram pouco mais de 14% dos respondentes.

A VanPro tem como principal objetivo medir e mapear o cenário atual e quais são as perspectivas para o futuro, além de conhecer as principais dores dos sócios e executivos de agências de todo o país.

Confira matéria no Propmark

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

ABAP é signatária do projeto “Respeito e Diversidade”, do Conselho Nacional do Ministério Público
O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), o Ministério Público Federal (MPF) e a Escola Superior do Ministério Público da União (ESMPU) lançaram, nesta quinta-feira, 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos, o projeto “Respeito e Diversidade”, um conjunto de iniciativas com o objetivo de disseminar a cultura do diálogo, do respeito à diversidade humana […]
Suprema Corte dos EUA analisa responsabilidade de Big Techs em atos terroristas
A Suprema Corte dos Estados Unidos colocou o Twitter no banco dos réus nesta quarta-feira (22) para avaliar se a empresa é responsável por ajudar a instigar um ataque terrorista ao não remover adequadamente o conteúdo postado por organizações como o Estado Islâmico (EI). A rede social foi denunciada juntamente com Facebook e Google (como […]

Receba a newsletter no seu e-mail