Home / 65% dos consumidores não conseguem reconhecer uma imagem falsa, aponta pesquisa

65% dos consumidores não conseguem reconhecer uma imagem falsa, aponta pesquisa

Fonte: Propmark

13 de julho de 2023

Há alguns anos, o usuário que fazia edição de vídeos, áudios ou imagens precisava ter conhecimentos técnicos intrínsecos para manusear esses arquivos. Hoje, com a propagação da Inteligência Artificial (IA), mais pessoas passaram a ter acesso a múltiplas técnicas de edição, o que colaborou para a disseminação de notícias fraudulentas.

Na prática, o termo “deepfake” é proveniente de uma combinação de “deep learning” (aprendizado profundo) e “fake” (falso), consistindo em uma estratégia de associação de imagens ou sons humanos, com base em técnicas de inteligência artificial, para combinar a fala ou a cena de uma gravação já existente. O resultado são conteúdos sintéticos, mas muito bem-feitos, como o discurso do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky anunciando rendição às tropas da Rússia. Ou o papa vestido em alta costura. Teve também o ex-presidente americano Donald Trump sendo preso de forma truculenta por policiais de Nova Iorque.

Fato é que as deepfakes estão em todo lugar, até na novela Travessia, da TV Globo, em que a protagonista da trama, Brisa, foi transformada, via IA, em sequestradora de crianças, tornando-se, com isso, uma vítima da deepfake. Outro caso recente foi a propaganda da Volkswagem, que recriou a cantora Elis Regina em peça publicitária, causando discussão na internet e virou caso de representação ética pela Conar.

Por isso o tema é tão importante, na opinião de Filipe Bento, CEO da Br24, a maior produtora de conteúdos sobre Bitrix24 no mundo: “Hoje, o sistema de construção de deepfakes está tão aprimorado que o reconhecimento do que é ‘true’ (verdadeiro) e do que é ‘fake’ (falso) pode se tornar uma tarefa bem difícil. Quando a deepfake nasceu, em 2014, aproximadamente, seu uso era mais complicado, devido à exigência de conhecimentos avançados em tecnologia, contudo, conforme a tecnologia foi avançando, soluções mais fáceis para produzir deepfakes foram surgindo”.

E as empresas, se não tomarem cuidado, estão na mira dessa prática. As vítimas em potencial são figuras públicas, cuja imagem ou voz está extensamente disponível na web. “Uma vez vítima, não há muito o que possa ser feito, porque a deepfake tem como característica principal a rápida velocidade de disseminação da foto, áudio ou vídeo.

O quadro pode ser ainda mais grave. Uma pesquisa da Accenture Technology Vision 2022, intitulada Meet me in the metaverse, aponta que 65% dos consumidores globais não sabem reconhecer ou identificar vídeos deepfakes ou conteúdo sintético. Por isso a prevenção, segundo Filipe Bento, é o melhor remédio: “Recomendamos sempre o brand safety, ou segurança da marca, que diz respeito a um conjunto de práticas para proteger as empresas de pessoas e ambientes indesejados. Entre as principais medidas, destaque para fazer uso de tecnologia de adtechs, inclusive de pré-checagem, em que é possível filtrar antecipadamente qualquer desconfiança de tráfego inválido”.

Ele lembra que os embaraços não estão somente relacionados à reputação. Em nome de uma empresa, hackers podem fazer uma verdadeira coleta de informações de seus clientes, prejudicando pessoas e colocando o negócio em situações adversas perante a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Confira matéria no Propmark

Voltar para Início

Notícias Relacionadas

Novas regras da UE para big techs podem quebrar monopólio no setor
Um novo capítulo começou a ser escrito na história das big techs. Para se adequar ao que foi determinado por duas novas leis aprovadas na União Europeia, as gigantes da tecnologia terão que se submeter a regras que visam acabar com o monopólio no setor, promover mais transparência na negociação de anúncios e limitar práticas consideradas injustas. As regulações […]
Cenário do varejo muda investimento em mídia
O cenário da mídia de varejo tornou-se cada vez mais complexo. Os donos do orçamento já tiveram que considerar apenas um punhado de estabelecimentos para seus orçamentos de mídia de varejo, mas hoje eles têm uma miríade de opções. Embora a Amazon tenha dominado o setor de mídia de varejo por anos — soma 89% […]

Receba a newsletter no seu e-mail